Logo MPF nome Logo MPF

Bahia

Eleitoral
9 de Dezembro de 2019 às 14h55

MP Eleitoral recorre ao TSE por condenação do deputado Targino Machado por abuso de poder econômico

PRE/BA entende que o político ofereceu atendimento médico gratuito como forma de se promover durante a disputa do cargo que exerce na assembleia baiana

Arte mostra ao fundo, em transparência, a foto de uma urna eletrônica no momento em que alguém pressiona a tecla confirma. Em primeiro plano, a palavra "Eleitoral" em destaque, escrita em letras brancas cursivas.

Imagem Ilustrativa

O Ministério Público (MP) Eleitoral, por meio da Procuradoria Regional Eleitoral na Bahia (PRE/BA), recorreu, na sexta-feira (6), contra decisão do Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE/BA), que absolveu o deputado estadual Targino Machado, acusado em ação de investigação judicial por abuso de poder. Em investigação, o MP Eleitoral apurou que político se valeu da sua condição de médico para realizar atendimentos gratuitos para a população de Feira de Santana, com o intuito de angariar votos para sua campanha, em 2018.

Segundo as investigações realizadas no procedimento preparatório eleitoral 1.14.000.002286/2018-27, a população era atendida em clínicas clandestinas em Feira de Santana (BA) e, de lá, transportada para os municípios de Cachoeira e São Félix, onde tinham acesso, irregularmente, a serviços de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS). O candidato foi denunciado pela Secretaria de Saúde do Estado da Bahia.

Para o procurador Regional Eleitoral, Cláudio Gusmão, e o procurador Regional Eleitoral Auxiliar, Samir Cabus Nachef Júnior, que assinam o recurso, está devidamente comprovado nos autos que a finalidade de Machado não era filantrópica, mas eleitoreira, incluindo cartazes com os dizeres “Targino Machado, falou, tá falado” e fotografia do deputado nos locais de atendimentos, em que também aparece sua peça da campanha eleitoral.

O MP Eleitoral recorreu, portanto, requerendo a reforma do acórdão do TRE, para que seja determinada a cassação do diploma de Targino Machado, bem como a declaração de inelegibilidade para as eleições a se realizarem nos 8 anos subsequentes à eleição de 2018. O procedimento deve ser encaminhado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para decisão.

Confira a íntegra do recurso.

Número para consulta processual no TRE/BA0603900-65.2018.6.05.0000

Sobre o MP Eleitoral – O Ministério Público Eleitoral não tem estrutura própria: é composto por membros do Ministério Público Federal (MPF) e do Ministério Público Estadual. O procurador-geral da República exerce a função de procurador-geral Eleitoral perante o Tribunal Superior Eleitoral. Nos estados, um membro do MPF chefia o MP Eleitoral e atua como procurador regional Eleitoral. Já os promotores eleitorais são promotores de Justiça (membros do Ministério Público Estadual) que exercem as funções por delegação do MPF.

 

Assessoria de Comunicação
Ministério Público Federal na Bahia
Tel.: (71) 3617-2295/2294/2296/2200
E-mail:
prba-ascom@mpf.mp.br
www.twitter.com/mpf_ba
Receba notícias por e-mail.

Contatos
Endereço da Unidade

Rua Ivonne Silveira, 243
Loteamento Centro Executivo - Doron
CEP 41.194-015 - Salvador/BA

prba-sac@mpf.mp.br
(71) 3617-2200
Atendimento de segunda a sexta, de 8h às 15h, em Salvador

 

                                                           
Como chegar
Sites relacionados
Área Restrita