Javascript desabilitado
Logo MPF nome Logo MPF

Pará

Indígenas
23 de Abril de 2021 às 12h55

MPF quer intervenção federal no PA para deter conflito entre garimpeiros e indígenas em Jacareacanga e entorno (atualizada)

Atos de violência de garimpeiros contra lideranças se sucedem e forças estaduais não demonstram capacidade de conter o conflito

#ParaTodosVerem: imagem em formato retangular, na horizontal, com fundo preto e ao centro, na cor branca, o texto Intervenção federal.

Arte: Ascom/MPF

A unidade do Ministério Público Federal (MPF) no Pará enviou ofício ao procurador-geral da República (PGR), em Brasília (DF), solicitando que o Supremo Tribunal Federal (STF) seja acionado para declarar a violação de direitos humanos e requisitar a intervenção federal no estado para o estrito fim de garantir o provimento da segurança pública na região de Jacareacanga, com o objetivo de conter a escalada de ataques de garimpeiros contra lideranças indígenas, associações e, em última análise, o próprio povo Munduruku.

Desde o início de março de 2021, as invasões no território indígena vêm se intensificando e uma série de atos de violência têm sido cometidos por ação de grupo em defesa do garimpo ilegal, sobretudo contra a Associação de Mulheres Munduruku Wakoborũn, que se opõe historicamente ao garimpo ilegal, vocalizando a posição já reafirmada em inúmeras oportunidades pelo povo Munduruku. Os atentados ocorrem no perímetro urbano de Jacareacanga, onde existe uma guarnição da Polícia Militar, mas as autoridades estaduais não foram capazes de evitar ou conter os ataques. Na última quarta-feira, um motor de barco da associação foi furtado pelos garimpeiros.

O pedido para que seja iniciada ação de intervenção federal junto ao STF é feito depois do terceiro ataque consecutivo, em menos de um mês, por grupo em defesa do garimpo, integrado por não indígenas e minoria indígena. No final de março, o grupo favorável ao garimpo tinha destruído a sede da associação, e no domingo passado roubou combustíveis e o tanque de outro motor de barco das indígenas. Todos os três ataques ocorreram na zona urbana de Jacareacanga.

Descontrole da segurança pública – O MPF vê uma situação de descontrole da segurança pública – responsabilidade do estado do Pará – que justifica a intervenção federal. Pela Constituição brasileira, a intervenção pode ser solicitada pelo PGR ao STF para que a União assegure a observância dos direitos da pessoa humana (art. 34, VII, 'b'), dentre os quais por exemplo a vida e a liberdade associativa, os quais se encontram severamente violados em Jacareacanga/PA diante da ineficácia da atuação do Estado do Pará, “notadamente com a finalidade de fazer cessar o projeto sistemático de ataque aos direitos humanos titularizados, individual e coletivamente, pelo povo Munduruku”. O pedido foi enviado nesta sexta-feira (23), pelos procuradores da República que atuam no Pará, em ofício ao procurador-geral da República, Augusto Aras.

O documento narra a “perpetração contínua de atentados e represálias contra membros da etnia Munduruku que não concordam com a exploração minerária ilegal em seu território, assim como em desfavor das entidades indígenas representativas da comunidade, promovidos por garimpeiros e indígenas pró-garimpo que pretendem – a todo custo – reprimir qualquer oposição às atividades ilícitas de mineração no território Munduruku, havendo registros em vídeos e imagens, os quais aportam a todo momento neste órgão ministerial, reveladores da permanente e grave violação de direitos humanos, sem que tenha havido qualquer intervenção estatal minimamente efetiva e eficiente para solucionar o conflito”.

O MPF já abriu quatro investigações sobre os ataques dos garimpeiros, a partir do envio, pelas lideranças Munduruku, de denúncias e comunicados sobre a situação. Apesar do conflito com os garimpeiros já existir há alguns anos, “os últimos dias representaram inequívoca ruptura da dinâmica desafortunadamente estabelecida, o que revela inclusive a pretensão de instituição de ilegítimo Estado paralelo timonado por um grupo de pessoas caracterizado originalmente pela prática de crimes ambientais e, agora, por crimes de natureza profusa e diversa”, diz o ofício enviado ao PGR.

Para os procuradores da República que acompanham a escalada de violência na região de Jacareacanga, “a partir de 2019 especialmente, a gradual implantação de um programa estratégico de omissão por parte dos órgãos estatais quanto à tutela do meio ambiente e dos direitos tradicionais, notada e marcadamente a partir da instituição de uma antipolítica ambiental por parte do Poder Executivo Federal, provocou franco recrudescimento no contexto de violência”.


Íntegra do ofício


Imagens da violação em série de direitos:

helicoptero-suspeito-escolta-garimpo-ti-munduruku-marco-2021.JPG

Na primeira quinzena de março de 2021 foi identificada a chegada de maquinário pesado em território Munduruku em Jacareacanga, avançando pelo igarapé Baunilha em direção à bacia do rio Cururu, uma das bacias hidrográficas fundamentais para a garantia da vida indígena na região. Na região foi filmado um helicóptero suspeito de escoltar os criminosos.

 


grupo-armado-ti-munduruku-filmado-19.03.2021.jpeg

Filmagem feita em 19/03/21 mostra pessoas armadas impedindo grupo indígena de desembarcar na área. O grupo que impede o desembarque é formado por garimpeiros ilegais e por uma minoria indígena aliciada pelos garimpeiros ilegais. 

 

 

Destruicao_sede_Wakoborun_Jacareacanga-PA_25.03.2021.jpg

Em 25/03/21 o grupo pró-garimpo atacou a sede Associação das Mulheres Munduruku Wakoborũn, na zona urbana de Jacareacanga. A associação é contrária à mineração ilegal e o prédio da associação é de uso coletivo com outras organizações indígenas antigarimpo. Os vândalos destruíram a fachada e móveis do prédio, e colocaram fogo em documentos e outros materiais da associação.

 

 

bloqueio_viatura_icmbio_jacareacanga_pa_11.04.2021.jpg

 Em 11/04/21 o grupo de garimpeiros e representantes de uma minoria Munduruku aliciada por garimpeiros impediu que uma viatura do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) entrasse em Jacareacanga. A viatura fazia fiscalização contra a mineração ilegal em Floresta Nacional e Área de Preservação Ambiental na região.

 

 

roubo_combustiveis_jacareacanga_pa_18.04.2021.jpg

Em 18/04/21, novamente na zona urbana de Jacareacanga, o grupo pró-garimpo roubou mais de 830 litros de combustível e um tanque de motor de barco pertencentes à Associação das Mulheres Munduruku Wakoborũn.

 

 

roubo_motor_barco_jacareacanga_pa_21.04.2021.jpg

Apesar de no dia anterior o MPF ter divulgado que os roubos poderiam voltar a ocorrer, em 21/04/21, também na zona urbana de Jacareacanga, o grupo pró-garimpo roubou um motor de barco da Associação das Mulheres Munduruku Wakoborũn.

 



*Texto alterado às 12h10 de 27/04/2021 para corrigir a informação sobre o roubo ocorrido em 18/04/2021. Em 26/04/2021 o MPF foi informado que além dos combustíveis o que foi roubado em 18/04/2021 foi um tanque de motor de barco, e não um motor completo.

Ministério Público Federal no Pará
Assessoria de Comunicação
(91) 3299-0148 / 3299-0212
(91) 98403-9943 / 98402-2708
saj.mpf.mp.br
mpf.mp.br/pa
twitter.com/MPF_PA
facebook.com/MPFederal
instagram.com/mpf_oficial
youtube.com/canalmpf
linkedin.com/company/mpf-oficial/

Relacionadas

registrado em: *6CCR
Contatos
Endereço da Unidade

Rua Domingos Marreiros, 690

Umarizal – Belém/PA

CEP 66.055-215

PABX: (91) 3299-0111
Atendimento de segunda a sexta, das 8 às 18h

Sala de Atendimento ao Cidadão (SAC):

10 às 17h

(91) 3299-0138 / 0125 / 0166

Atendimento exclusivamente por WhatsApp: (91) 98437-1299

Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão:

9 às 18h

Protocolo:

9 às 18h

Biblioteca:

13 às 18h

Plantão:

Telefone: (91) 98404-6620

O plantão da Procuradoria da República no Pará funciona em apoio ao plantão da Justiça Federal e também para o atendimento dos casos emergenciais de violação dos direitos do cidadão e da coletividade, por meio de pedidos, ações, procedimentos e medidas de urgência destinadas a evitar perecimento e danos a direito individual, difuso e coletivo, assegurar a liberdade de locomoção e garantir a aplicação da lei penal. Período e horário do plantão: Sábados, domingos, feriados, recessos e nos dias úteis iniciará às 18h01 e finalizará às 08h59 do dia seguinte, bem como abrangerá também as Procuradorias da República nos municípios do Pará nos finais de semana, nos feriados, nos pontos facultativos e nos recessos.

Como chegar
Sites relacionados
Área Restrita