Javascript desabilitado
Logo MPF nome Logo MPF

Amazonas

Indígenas
24 de Março de 2022 às 12h55

MPF recomenda que Funai publique portaria de restrição de uso para proteção de indígenas isolados no AM

A portaria limita o acesso de terceiros na área, localizada no sul do Amazonas; última prorrogação ocorreu em 2017 e venceu em dezembro de 2021

Foto aérea de trecho de floresta com duas ocas e alguns índios isolados, ao longe

Foto: Gleilson Miranda - Wikimedia Commons

O Ministério Público Federal (MPF) recomendou à presidência da Fundação Nacional do Índio (Funai) e à chefia da Diretoria de Proteção Territorial (DPT) da fundação que publiquem, imediatamente, portaria de restrição de uso da terra indígena Jacareúba-Katawixi, com mais de 647 mil hectares, localizada entre os municípios de Lábrea e Canutama, no sul do Amazonas.

A portaria de restrição de uso limita o ingresso de terceiros nas áreas interditadas e veda a realização de atividades econômicas ou comerciais no local. Em 2017, foi publicada no Diário Oficial da União a última portaria de prorrogação de vigência da restrição de uso na terra indígena por um período de quatro anos, que venceu em dezembro de 2021 e até o momento não foi renovada. 

Na recomendação, o MPF destaca dados da nota técnica do GT Demarcação da Câmara de Populações Indígenas e Comunidades Tradicionais (6CCR). A nota aponta que a renovação da portaria é medida urgente para as terras indígenas Piripkura (MT), Jacareúba-Katawixi (AM), Piriti (RR) e Ituna-Itatá (PA), com risco de genocídio, o que acarretaria eventuais responsabilizações do Brasil no âmbito das jurisdições nacionais e internacionais de proteção aos direitos humanos.

A recomendação do MPF destaca ainda a Portaria nº 281/PRES/FUNAI, de 20 de abril de 2000, que prevê que as terras habitadas por índios isolados serão garantidas, asseguradas e protegidas em seus limites físicos, riquezas naturais, na fauna, flora e mananciais.

De acordo com o MPF, além da publicação imediata da portaria, a Funai deve atualizar os dados para adequar a portaria de restrição de uso, se necessário, e analisar eventual necessidade de base de proteção etnoambiental no local, informando ao MPF no prazo de 60 dias.

Ameaças e desmatamento – Além da nota técnica do GT Demarcação do MPF, o órgão cita, na recomendação, documento do Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM) que registra ameaças à integridade territorial dos povos indígenas Piripuka (MT), Pirititi (RR), Jacareúba-Katawixi (AM) e Ituna-Itatá (PA), em especial diante da ausência de novas portarias de restrição de uso relativas à área desses povos. Dossiê produzido pela Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab), pelo Observatório dos Direitos Humanos dos Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato (OPI) e por organizações parceiras, que faz parte da campanha ‘#IsoladosOuDizimados’, também alerta para o risco que estes povos indígenas correm caso o governo federal não tome as providências legais para a proteção dos territórios.

Relatório técnico produzido pelo Instituto Socioambiental (ISA) registra também o avanço do desmatamento na área, considerando a pressão sofrida pelo Parque Nacional Mapinguari, que sobrepõe a terra indígena Jacareúba- Katawixi, em Lábrea (AM).

O MPF fixou prazo de dez dias para que a Funai informe sobre o acatamento da recomendação, encaminhando esclarecimentos detalhados das providências adotadas para o cumprimento. Caso a recomendação não seja atendida, o MPF adotará as medidas cabíveis para responsabilizar os dirigentes da Funai.

Assessoria de Comunicação
Procuradoria da República no Amazonas
(92) 2129-4700
pram-ascom@mpf.mp.br
facebook.com/mpfamazonas
twitter.com/mpf_am

registrado em: *6CCR
Contatos
Endereço da Unidade

Sede:
Av. André Araújo, 358
Adrianópolis – Manaus/AM
CEP 69057-025
Tel.: (92) 2129-4700



Atendimento de segunda a sexta-feira, das 8h às 15h.


Plantão judicial - Saiba como funciona


Precisa enviar documentos ao MPF?

Acesse:

http://www.mpf.mp.br/mpfservicos

Como chegar

Sede:

Sites relacionados
Área Restrita