Javascript desabilitado
Logo MPF nome Logo MPF

São Paulo

Meio Ambiente
22 de Março de 2023 às 15h20

MPF ajuíza oito ações por danos ambientais causados por condomínio às margens do rio Mogi-Guaçu em Rincão (SP)

Sete ações são contra proprietários de ranchos de pesca em área de preservação; outra é contra entes públicos por falta de fiscalização

#Paratodosverem: Imagem mostra texto Ação Civil Pública em preto, com fundo amarelo e bordas escurecidas.

Arte: Comunicação/MPF

O Ministério Público Federal (MPF) ingressou com oito ações civis públicas, com pedido de liminar, contra o município de Rincão (SP), Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) e governo estadual de São Paulo, além de sete particulares, por danos ambientais causados às margens do rio Mogi-Guaçu. Contra os entes públicos, a ação foi por falta de fiscalização e as outras foram contra proprietários de ranchos recreativos para a pesca construídos em área de preservação permanente (APP).

Essas propriedades, localizadas no Condomínio de Ranchos Engenho Velho, estão provocando a destruição, supressão e impedimento da regeneração da vegetação ciliar às margens do rio Mogi-Guaçu. Isto ocorre porque não foi respeitada a faixa marginal mínima da mata ciliar para a construção. O curso d’água do rio varia entre 50 e 200 metros de largura e, portanto, o limite mínimo da mata ciliar é de 100 metros (Lei 12.651/2012).

A vegetação ciliar de rios e lagos diminui problemas de erosão do solo e mantém a qualidade das águas, além de servirem como corredores para a fauna, segurarem o solo das margens, filtrarem o ambiente, evitando ou diminuindo a presença de sedimentos trazidos com as chuvas e a poluição, representando uma verdadeira proteção natural dos cursos d’água.

Essa atuação é emblemática, pois foi protocolada pelo 2º Ofício da Procuradoria da República no Município Araraquara nesta quarta-feira, 22 de março, Dia Mundial da Água.

Inquérito civil público – O MPF instaurou, em 2019, inquérito civil público (1.34.017.000028/2019-42) para apurar irregularidades e danos ambientais provocados pelo loteamento irregular denominado Chácaras ou Condomínio Engenho Velho. O referido imóvel foi desmembrado em parcelas destinadas ao lazer e está situado no bairro Taquaral, na zona rural de Rincão.

Sob a alegação que a área não seria zona de expansão urbana, o condomínio não permitiu a realização de fiscalização pela prefeitura. No entanto, a atual finalidade desses imóveis é de moradia ou de sítio de lazer, ambos casos de uso urbano, embora estejam eles em zona rural, como já manifestou o Superior Tribunal de Justiça quanto ao cabimento de cobrança de IPTU (STJ, REsp 180533/SP).

Em diversos procedimentos extrajudiciais e judiciais da Procuradoria da República no Município de Araraquara, inclusive pretéritos, identificou-se o descumprimento da Lei Ambiental no município de Rincão, tanto por particulares, quanto por entes públicos e órgãos de fiscalização.

“O loteamento em questão não atende às exigências da lei federal, encontrando-se em situação clandestina e irregular, e constatada a degradação ambiental, imperiosa a proteção do meio ambiente, mormente considerando o princípio da preservação que orienta o direito ambiental”, destacou o procurador da República Ígor Miranda da Silva, autor das ações.

Pedidos – Nas ações, o MPF pede, em relação aos proprietários dos imóveis que retirem todas as construções e intervenções não autorizadas existentes na área de preservação permanente (faixa de 100 metros) seguida da restauração de toda a área degradada, com plantio de árvores nativas e retirada das exóticas. Por ocasião da demolição, o entulho resultante deverá ser depositado em local distante do rio Mogi-Guaçu, indicado pelo órgão ambiental competente; subsidiariamente, devem contribuir com o reflorestamento de uma área equivalente à degradada, ou adoção de outras medidas compensatórias e mitigatórias indicadas em perícia, correspondentes aos danos ambientais provocados.

Já aos município de Rincão, ao estado de São Paulo e à Cetesb, além de fiscalizar o cumprimento da legislação ambiental, é pedido, entre outras coisas, que, em 180 dias, produzam estudo técnico na Área de Preservação Permanente às margens do rio Mogi-Guaçu e elaborem relatório circunstanciado sobre os lotes às margens do rio. No mérito, o MPF requer a realização de fiscalizações periódicas, em intervalo não superior a seis meses, mediante a construção de plano de trabalho anual previamente estabelecido, na área de APP do rio Mogi-Guaçu, com a possibilidade de lavratura de auto de infração.

5000532-31.2023.4.03.6120
5000533-16.2023.4.03.6120
5000534-98.2023.4.03.6120
5000535-83.2023.4.03.6120
5000536-68.2023.4.03.6120
5000537-53.2023.4.03.6120
5000538-38.2023.4.03.6120
5000544-45.2023.4.03.6120 (Estrutural - veja íntegra)

Assessoria de Comunicação
Ministério Público Federal em São Paulo
twitter.com/mpf_sp
facebook.com/MPFSP
youtube.com/mpfspcanal

Informações à imprensa:
saj.mpf.mp.br
(11) 3269-5701

registrado em: *4CCR
Contatos
Endereço da Unidade
Rua Frei Caneca, nº 1360
Consolação - São Paulo/SP
CEP 01307-002
(11) 3269-5000
Atendimento de segunda a sexta-feira, das 10h às 18h

 

ATENDIMENTO AO CIDADÃO: canal de comunicação direta da instituição com o cidadão, com acesso aos serviços de representação (denúncia), pedidos de informação, certidões e de vista e cópia de autos. CLIQUE AQUI.
(11) 3269-5781
 
 
PROTOCOLO ELETRÔNICO: destinado exclusivamente aos órgãos ou entidades públicas e às pessoas jurídicas de direito privado, para envio de documentos eletrônicos (ofícios, representações e outros) que não estejam em tramitação no MPF. CLIQUE AQUI.
 
 
PETICIONAMENTO ELETRÔNICO: destinado a pessoas físicas e advogados para envio de documentos eletrônicos relacionados a procedimentos extrajudiciais em tramitação no MPF (exceto inquéritos policiais e processos judiciais). CLIQUE AQUI.
 
 
ATENDIMENTO À IMPRENSA: CLIQUE AQUI.
(11) 3269-5701  
Como chegar
Sites relacionados
Área Restrita