Javascript desabilitado
Logo MPF nome Logo MPF

Roraima

Indígenas
17 de Novembro de 2022 às 15h40

Terra Indígena Pirititi, em Roraima, ganha interdição por tempo indeterminado

Acordo judicial firmado pelo MPF e Funai também prevê finalização da identificação e delimitação da nova TI até fevereiro de 2025

Foto aérea mostra toras de madeira no meio da floresta

Foto: Felipe Werneck/Ibama

Um acordo judicial firmado entre Ministério Público Federal (MPF) e Fundação Nacional do Índio (Funai) vai garantir mais proteção aos indígenas isolados Pirititi, em Roraima. A pedido do MPF, a Fundação concordou em prorrogar por tempo indeterminado a medida que impede a circulação de não indígenas na região. A Funai informou também que vai concluir os relatórios de identificação e delimitação da terra indígena até fevereiro de 2025.

A área vinha sendo interditada administrativamente desde 2012, após a Funai ter identificado pela primeira vez a existência dos indígenas Pirititi, até hoje um grupo isolado, nunca contatado pela sociedade envolvente. Esse instrumento restringe o ingresso, locomoção e permanência de pessoas estranhas aos quadros da Funai.

Desde então a fundação emitiu portarias de interdição de validade curta, de apenas 3 anos. O quadro se agravou a partir de 2021, quando os atos passaram a ter validade de 6 meses. Segundo o MPF, isso criava intensas ameaças aos Pirititi, uma vez que os grileiros, colonos e madeireiros que vivem nos limites da área tinham ciência dos prazos das portarias e ameaçavam invadir a área protegida assim que os atos expirassem.

Por entender que esse é um instrumento essencial para a preservação desse povo, o MPF entrou na justiça, em maio deste ano, com um pedido de tutela provisória de urgência pleiteando a ampliação da medida. Com o acordo, a portaria passa a ter prazo de vigência indeterminado e a interdição só deixará de existir quando os estudos para a demarcação forem concluídos e o território for homologado pela União.

Demarcação – Apesar da identificação, a Funai nunca havia iniciado o procedimento de demarcação do território Pirititi. Diante da lentidão, o MPF ingressou com ação civil pública para obrigar a Funai e a União a terminar os relatórios e formalizar a criação da terra indígena. O pedido do MPF estabelecia prazo de 4 anos para o fim do processo administrativo.

No acordo firmado com a Funai, a fundação se comprometeu a concluir e apresentar o relatório circunstanciado de identificação e delimitação da área da terra indígena Pirititi no prazo de três anos, contados a partir de fevereiro deste ano. O cronograma de trabalho deverá ser apresentado em até 30 dias.

Degradação – A área em estudo para demarcação abrange 40 mil hectares e fica imediatamente acima da Reserva Indígena Waimiri Atroari. A região é apontada como uma das mais vulneráveis ao desmatamento e grilagem de terras.

Em 2018, o Ibama promoveu a maior apreensão de madeira ilegal da história de Roraima (7.387 toras, equivalentes a 15.000 m³), na região dos Pirititi. Em março de 2021, o boletim Sirad-Isolados, do Instituto Socioambiental (ISA), indicou que a grilagem já correspondia a 47,8% do território.

Em acatamento às recomendações expedidas pelo MPF no ano passado, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) executou ações de combate às infrações ambientais e a Fundação Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Femarh) anulou as licenças ilegais concedidas em favor de posseiros e grileiros da região.

Essas medidas conseguiram conter o avanço da invasão das terras dos Pirititi. Apesar disso, relatórios do Ibama apontam a existência de diversos focos de desmatamento no entorno, com evolução que indicam ameaça de expansão para além dos limites da terra indígena. Na avaliação do órgão, a presença do estado é fundamental para a inibição dos fatores que impulsionam degradação.

Em outubro deste ano, o Ministério da Justiça e Segurança Pública autorizou o emprego da Força Nacional de Segurança Pública em apoio à Funai nas atividades de proteção territorial na região dos Pirititi.

Assessoria de Comunicação Social
Procuradoria da República em Roraima
E-mail: prrr-ascom@mpf.mp.br
Tel.: (95) 3198-2000
Siga-nos no Twitter: @MPF_RR
Facebook: /ministeriopublicofederalemroraima

registrado em: *6CCR, *4CCR
Contatos
Endereço da Unidade

Rua General Penha Brasil, nº 1255
São Francisco - Boa Vista/RR
CEP 69305-130

(95) 3198-2000
Atendimento de segunda a sexta, das 9h às 15h

Assessoria de Comunicação Social
Telefone: (95)3198-2045/ 3198-2034
E-mail: prrr-ascom@mpf.mp.br

Informações sobre licitações
Telefone: (95) 3198-2029
E-mail: prrr-cpl@mpf.mp.br

Plantão
Dias úteis: 18h às 8h
Finais de semana e feriados: 24h
Telefone: (95) 98404-5826
Confira a escala de plantão

Como chegar

Localização da PR-RR