Javascript desabilitado
Logo MPF nome Logo MPF

Rio de Janeiro

Direitos do Cidadão
22 de Março de 2023 às 15h45

Após atuação do MPF, nome discriminatório de acervo de peças religiosas é alterado no Rio de Janeiro

Coleção de objetos sagrados passa a se chamar Acervo Nosso Sagrado

Imagem mostra, contra um fundo azul claro, a palavra "Direitos do Cidadãos" em letras brancas e, sob as letras, ilustrações de pessoas de diferentes perfis (etários, étnicos, etc.).

Arte: Comunicação/MPF

Depois da atuação do Ministério Público Federal (MPF) em apoio à reivindicação da comunidade religiosa de matrizes afro-brasileiras, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) anunciou, na última terça-feira (21), a mudança de nomenclatura do conjunto de bens antes denominados Coleção Magia Negra para Acervo Nosso Sagrado.

Desde 2017, o MPF vinha cobrando a mudança, a partir do nome definido coletivamente por representantes da sociedade civil organizada. No fim de 2022, o MPF fez nova cobrança. Nos ofícios dirigidos ao presidente do Iphan, ao superintendente do Iphan no Rio de Janeiro e ao diretor do Departamento de Patrimônio Material e Fiscalização (Depam), o MPF relembrou que o tombamento foi feito durante a ditadura do Estado Novo e no contexto de uma violenta e sistêmica repressão praticada pelo Estado brasileiro contra as religiões de matrizes afro-brasileiras, razão pela qual o acervo foi batizado a partir do ponto de vista discriminatório e estruturalmente racista predominante da época.

Para a Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão, “a mudança da nomenclatura se afigura necessária como medida reparatória e se destina a conciliar a integral proteção do acervo com os objetivos previstos na Constituição Federal, quais sejam, de erradicar a marginalização, o preconceito, o racismo e a discriminação baseados em motivos religiosos, bem como o de construir uma sociedade livre, justa e solidária e cujo fundamento está assentado na dignidade da pessoa humana”.

Nesse sentido, a designação da coleção deve estar “livre de proposições ou abordagens que perpetuem estereótipos e estigmas historicamente utilizados pelo Estado brasileiro para manter indevidas hierarquizações e inferiorizações baseadas nas orientações religiosas de seus cidadãos”. Assim, como medida de reparação e de forma a contribuir para o enfrentamento do racismo religioso e da intolerância religiosa, a coleção precisava ter o nome alterado, passando a ser chamada de Nosso Sagrado, conforme decisão coletiva.

No anúncio da mudança de nomenclatura, o Iphan destacou que o processo de retificação do tombamento constitui revisitação e ressignificação por parte do Instituto dos valores atribuídos aos bens culturais e é fundamental para fortalecer iniciativas de combate ao racismo no Brasil.

Entenda – Os objetos considerados sagrados por religiões de matrizes afro-brasileiras foram apreendidos ainda na vigência do Código Penal de 1890 e permaneceram durante todo o século XX custodiados no Museu da Polícia Civil, no centro do Rio de Janeiro.

Tendo em vista as obrigações do Estado brasileiro de evitar novas violações a direitos e garantias fundamentais, bem como de proteger e promover a diversidade cultural e a pluralidade religiosa, o MPF instaurou o Inquérito Civil 1.30.001.003468/2017-16.

Em 2020, o acervo de mais de 200 peças foi transferido ao Museu da República. Desde então, a gestão do museu passou a ser compartilhada com a sociedade civil para possibilitar a salvaguarda adequada e a produção de conhecimento.

“A transferência do acervo para o Museu da República e mudança de nome são medidas muito significativas para o enfrentamento do racismo religioso no Brasil. Não por coincidência a alteração foi anunciada em 21 de março, Dia Internacional pela Eliminação da Discriminação Racial e também Dia Nacional das Tradições de Raízes de Matrizes Africanas e Nações do Candomblé. Vivemos um momento histórico de mudanças de paradigmas. Com essa nova postura adotada pelo novo governo, o Estado brasileiro reconhece a importância de respeitar e valorizar a diversidade cultural e a pluralidade religiosa como valores fundantes da nossa democracia. Essas mudanças são vitórias da comunidade de axé e de todo povo brasileiro”, avalia o procurador regional dos Direitos do Cidadão, Jaime Mitropoulos.

Assessoria de Comunicação Social
Procuradoria da República no Rio de Janeiro
twitter.com/MPF_PRRJ
Atendimento à imprensa:  
Canal no Telegram: https://t.me/mpfrj

Contatos
Endereço da Unidade

Av. Nilo Peçanha, 31
Centro - Rio de Janeiro/RJ
CEP 20020-100

(21) 3971-9300
Atendimento de segunda a sexta, das 11h às 17h

Clique aqui para mais informações

Sala de Atendimento ao Cidadão:

Tel.: (21) 3971-9553
(21) 3971-9102

Consulta Processual: clique aqui
Protocolo Eletrônico:
acesse aqui

Atendimento à imprensa: clique aqui

Como chegar
Sites relacionados
Área Restrita