Javascript desabilitado
Logo MPF nome Logo MPF

2ª Região

Espírito Santo e Rio de Janeiro

Criminal
31 de Julho de 2019 às 16h40

MPF rebate comerciante no Rio condenado pelo TRF2 por explorar trabalho escravo

Tribunal confirma pena e julga recurso proposto por dono de pastelaria em Copacabana

Arte retangular com figuras de pessoas formando um círculo em volta da expressão 'Direitos Humanos' escrita em letras pretas.

Arte: Secom/PGR

O Ministério Público Federal (MPF) refutou no Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2) um novo recurso do comerciante Liu Tianjun, dono da Pastelaria Copacabana, no Rio de Janeiro, contra a condenação a dois anos e oito meses de prisão e multa por submeter três funcionários chineses a condições análogas à de escravo. Como o TRF2 confirmou em junho a sentença da 5ª Vara Federal Criminal/RJ, a pena pode ser executada uma vez julgados os recursos, como entende o Supremo Tribunal Federal (STF).

O recurso (embargos de declaração), que encerra a tramitação no TRF2, será julgado pela 1ª Turma. Para o MPF, os desembargadores federais não devem acolher o pleito da defesa de recalcular a pena ou fixar substituição da pena de prisão. O MPF opinou que o pedido implicaria um rejulgamento da causa, desvirtuando o intuito desse tipo de recurso, que é esclarecer eventuais omissões na decisão.

Na ação, o MPF citou que, durante oito meses, os três funcionários cumpriram jornadas extenuantes na cozinha e, à noite, se recolhiam num quarto pequeno e mal ventilado do apartamento de Liu Tianjun, que os monitorava por câmeras e impedia o acesso à sala. Sem carteira de trabalho, tinham o salário retido e passaportes com vistos de turismo expirados. A ação se baseou numa fiscalização feita em 2015 que verificou tratamento distinto aos funcionários brasileiros, seguindo lei trabalhista, e chineses, aproveitando seu isolamento pela barreira do idioma e situação migratória irregular.

“Com a nova condenação, o Estado brasileiro explicita e concretiza a reprovação de ato tão grave, ainda mais pelo perfil das vítimas, que não falam português, e seu recrutamento na China para serem exploradas no Brasil”, avalia o procurador regional da República Maurício Manso, que representa o MPF no processo no TRF2.

Absolvição mantida – O réu, também chinês, voltou a ser absolvido da acusação de ocultar ou introduzir estrangeiro de forma clandestina. O MPF tinha recorrido contra essa absolvição e pedia pena maior pelo crime de trabalho escravo (C.P., art. 149), mas o TRF2 não acolheu seu recurso nem o da defesa.

Processo 0509055-21.2015.4.02.5101

Assessoria de Comunicação Social
Ministério Público Federal na 2ª Região (RJ/ES)
(21) 3554-9003 / 9199
prr2-imprensa@mpf.mp.br
Twitter.com/mpf_prr2

registrado em: *1CCR, *2CCR, Trabalho Escravo
Contatos
Endereço da Unidade

Avenida Almirante Barroso, 54, Centro
Rio de Janeiro/RJ
CEP 20031-000

Rua México, 158, Centro
Rio de Janeiro/RJ
CEP 20031-900

PABX: (21) 3554-9000/9255
E-mail: prr2-sac@mpf.mp.br
Twitter: @mpf_prr2


Setor de Atendimento ao Cidadão (SAC)
Telefone: (21) 3554-9161 / 9000
http://www.mpf.mp.br/mpfservicos

Sistema de Protocolo Eletrônico
(Destinado a órgãos públicos e pessoas jurídicas)
https://apps.mpf.mp.br/ouvidoria/app/protocolo/

Portal do Peticionamento Eletrônico
(Destinado a cidadãos e advogados)
https://aplicativos.mpf.mp.br/ouvidoria/app/cidadao/manifestacao/cadastro/2

Assessoria de Imprensa
E-mail: prr2-assimp@mpf.mp.br
(Canal para imprensa, demais demandas
pelo Protocolo eletrônico ou SAC acima)

Informações sobre licitação
Telefone: (21) 3554-9013
E-mail: prr2-cpl@mpf.mp.br

Plantão judicial
Telefone: (21) 3554-9255 / (21) 99495-4824
http://www.mpf.mp.br/regiao2/plantao/plantao

 

Como chegar