Javascript desabilitado
Logo MPF nome Logo MPF

1ª Região

Indígenas
30 de Maio de 2017 às 17h35

TRF1 determina que Funai apresente relatório para demarcação das terras indígenas Kaxixó

Procedimento de demarcação está parado há 8 anos

Descrição da Imagem #PraCegoVer: Foto de uma casa nativa indígena. Fonte:Istock

Descrição da Imagem #PraCegoVer: Foto de uma casa nativa indígena. Fonte:Istock

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) confirmou liminar concedida em primeiro grau que condenou a Fundação Nacional do Índio (Funai) a cumprir o princípio da razoável duração do processo no caso da demarcação das terras dos indígenas da etnia Kaxixó, no município de Martinho Campos (MG). O procedimento de demarcação está parado há 8 anos. 

O Ministério Público Federal (MPF) ajuizou ação civil pública contra a Funai com o objetivo de obrigá-la a apresentar um relatório circunstanciado – documento previsto no Decreto 1.775/96, que regulamenta o procedimento de demarcação de terras indígenas – uma vez que a fundação tem constantemente prorrogado os trabalhos relativos à identificação e delimitação de Terras do Povo Indígena Kaxixó, estabelecido no município de Martinho Campos (MG). 

A Justiça Federal aceitou o pedido do MPF e condenou a fundação a cumprir o procedimento demarcatório das terras da Comunidade Kaxixó. Na apelação da Funai ao TRF1, a autarquia argumenta que não houve omissão na condução do procedimento, e que estaria aguardando a posição de mais uma antropóloga para dar prosseguimento ao processo de demarcação. Alegou, ainda, que não há prazo fatal para que o Estado inicie os processos de demarcação, sendo indevida a ingerência do Judiciário. 

O MPF apresentou contrarrazões à apelação da fundação. “Apesar da complexidade das fases do processo e da limitação financeira a que está submetida a Funai, a fundação não demonstra preocupação com a conclusão dos estudos, pois em nenhum momento vimos a referida fundação adotar medidas que demonstrem o interesse em prosseguir nos estudos, limita-se a justificar o atraso”, explicou o procurador da República Carlos Alexandre Ribeiro de Souza Menezes. 

Constitucional - A Constituição Federal quando elaborada previu que a demarcação de terras indígenas deveriam ser concluídas no prazo de cinco anos a partir da promulgação, ou seja, até 1993. Para o MPF, mesmo que o processo seja complexo e dependa de recursos financeiros, a garantia constitucional da razoável duração do processo não poderia ser ignorada. “A definição de prazo para que a Funai apresente o Relatório Circunstanciado, determinado pelo Judiciário, é razoável, ressaltando que, não se pleiteia aqui a conclusão integral dos estudos, mas a conclusão de uma das fases que compõe o processo de demarcação”, argumenta o procurador nas contrarrazões. 

O Sexta Turma do TRF1, por unanimidade, negou provimento à apelação da Funai e confirmou a liminar deferida em primeiro grau, determinando a apresentação do relatório sob pena de multa e a observação dos prazos regulamentares, em relação aos demais atos do procedimento de demarcação das terras ocupadas pelos índios Kaxixó. 

Para o Tribunal, a inércia da Funai está caracterizada, pois, apesar de ter constituído um grupo de trabalho para cuidar do procedimento de demarcação, o processo encontra-se parado desde 2009, quando foi entregue o relatório circunstanciado em que se conclui pela necessidade de mais estudos para apontar os aspectos territoriais da população reconhecida em 2001.

Número do processo: 0001518-21.2010.4.01.3812 

Assessoria de Comunicação Social
Ministério Público Federal
Procuradoria Regional da República da 1ª Região
Tel.: (61) 3317-4583
No twitter: mpf_prr1

registrado em: *6CCR
Contatos
Endereço da Unidade

SAS quadra 5, bloco E, lote 8
Brasília/DF
CEP: 70.070-911

Funcionamento da unidade: 8h às 19h

Twitter@mpf_prr1


(61) 3317-4500

Setor de Atendimento ao Cidadão das 10h às 17h
MPF Serviços

Atendimento à imprensa das 12h às 19h

Plantão

Sistema de Protocolo Eletrônico
(Destinado a órgãos públicos e pessoas jurídicas)

Portal do Peticionamento Eletrônico
(Destinado a cidadãos e advogados)

Como chegar