Javascript desabilitado
Logo MPF nome Logo MPF

Mato Grosso do Sul

Indígenas
17 de Maio de 2018 às 17h45

Acordo inédito permite construção de escola em área ocupada por indígenas em MS

Parceria entre MPF, MPT e Prefeitura de Caarapó atende antiga reivindicação dos guarani-kaiowá

A imagem mostra a construção da escola em andamento, com trabalhadores empilhando tijolos de onde será a escola em questão.

Escola em aldeia: órgãos públicos negam-se a atender indígenas em áreas sob disputa judicial. Fotos: Ascom MPF/MS

O Ministério Público Federal (MPF) em Mato Grosso do Sul, em parceria com a Prefeitura de Caarapó (MS) e o Ministério Público do Trabalho (MPT), concretizou um acordo inédito que atende a uma antiga necessidade dos guarani-kaiowá da Terra Indígena Guyraroká, que é ter uma escola funcionando na própria aldeia. A construção será financiada com recursos disponibilizados pelo MPT, por meio do procurador do MPT Jeferson Pereira, no valor de R$ 30,8 mil. O recurso é proveniente de multa por descumprimento de Termo de Ajustamento de Conduta firmado com o MPT.

O valor será destinado à ampliação de um salão de 63m², já existente, que servirá como sala de aula e também como local de apoio para o atendimento médico aos indígenas pela Secretaria Especial de Saúde Indígena (SESAI). A nova estrutura vai contar com uma cozinha, uma despensa, banheiros feminino e masculino e uma área aberta para reuniões. A construção dessa ampliação já está em andamento e a mão de obra está sendo custeada pela prefeitura. Também já foi providenciado acesso à energia elétrica. O início das aulas está previsto para o segundo semestre.

PHOTO-2018-05-14-10-01-57_1.jpg

Outras vantagens da escola na própria aldeia são uma maior interação entre escola e família, um professor capacitado especificamente para a cultura indígena, merendeira da própria Comunidade, facilidade de acesso das crianças à escola e possibilidade de evitar eventuais problemas de discriminação que poderiam vir a sofrer na escola da área urbana.

Para o MPF, o maior mérito do acordo é “possibilitar a construção de uma estrutura pública em uma área não demarcada, já que órgãos públicos negam-se a atender indígenas em áreas apenas reivindicadas ou que estão sob disputa judicial”. A aldeia Guyraroká, a 270 km ao sul da capital Campo Grande,  já passou pelos estudos de identificação e delimitação da Funai e foi declarada terra indígena pela Portaria n° 3.219/09 do Ministério da Justiça. Faltam a colocação de marcos físicos, que limitam a área, e a homologação pela Presidência da República.

MPF pede indenização de R$ 170 milhões - A Justiça Federal ainda não se pronunciou na ação que foi ajuizada em 2013 contra a União e a Funai, em que pede indenização de 170 milhões de reais por danos morais e materiais sofridos pela comunidade indígena Guyraroká, expulsa de seu território tradicional há 100 anos, no processo de colonização de Mato Grosso do Sul. O MPF quer que o valor seja revertido em políticas públicas destinadas aos indígenas de Guyraroká.  

69d7e6b0-4fd6-4291-a2bd-46e0faa2f9da.JPG

O MPF/MS considerou a dispersão da comunidade, a remoção forçada para outras áreas, a violência sofrida, a demora da União em demarcar suas terras tradicionais e ainda a frustração dos direitos originários ao usufruto exclusivo de suas terras. Utilizou-se um conceito parecido com o de lucros cessantes, previsto pelo Código Civil, que consiste naquilo que a pessoa deixou de lucrar como consequência direta do evento danoso. 

As diversas etnias indígenas foram expulsas à força de seus territórios ou reunidas em pequenas áreas, para dar lugar à agropecuária. Passaram, então, a depender de políticas compensatórias até que a Constituição Federal de 1988 garantiu aos indígenas o direito aos territórios tradicionalmente ocupados. Hoje, Mato Grosso do Sul tem a 2ª maior população indígena do país - 70 mil pessoas – e disputas de terras que geram os mais altos índices de homicídios do país.  

 

Referência processual do pedido de indenização na Justiça Federal de Dourados: 0001205-61.2012.4.03.6002

Assessoria de Comunicação
Ministério Público Federal
Procuradoria da República em Mato Grosso do Sul
www.mpf.mp.br
prms-ascom@mpf.mp.br
(67) 3312-7265

registrado em: *6CCR, Guarani-Kaiowá, Indígena
Contatos
Endereço da Unidade

Av. Afonso Pena, 4444
Vila Cidade - Campo Grande/MS
CEP 79020-907

Pabx: (67) 3312-7200
Atendimento de segunda a sexta, das 12h às 18h
Atendimento aos jornalistas:
Assessoria de Comunicação Social
Como chegar
Sites relacionados
Área Restrita