Javascript desabilitado
Logo MPF nome Logo MPF

Espírito Santo

Meio Ambiente
18 de Dezembro de 2015 às 15h5

População demonstra insatisfação com omissão do poder público e da Samarco em audiência pública no ES

Empresa e diversos representantes dos governos federal, estadual e municipais foram convidados a participar do evento mas não compareceram

Audiência foi realizada na Câmara Municipal de Colatina

Audiência foi realizada na Câmara Municipal de Colatina

A população de Colatina (ES) e região demonstrou completa insatisfação com a omissão do poder público e com a falta de atuação da Samarco, da Vale e da BHP Billiton após o desastre ambiental provocado pelo rompimento das barragens das mineradoras, em Minas Gerais, que trouxe consequências gravíssimas para o município. A audiência pública "O rompimento das barragens da Samarco e suas consequências para os municípios atingidos", realizada nessa quinta-feira, 17 de dezembro, na Câmara Municipal de Colatina, ficou com o plenário lotado, com pessoas acompanhando o evento também do lado de fora da Câmara, por meio de um telão.

Os representantes das empresas, no entanto, não compareceram à audiência, apesar de terem sido convidados. Órgãos do poder público federal, estadual e municipais também não enviaram representantes.

Os trabalhos começaram após ser proposto um minuto de silêncio em homenagem à morte do Rio Doce. Após, foi dada palavra aos inscritos e inscritas, e os principais temas apontados e discutidos pela população foram o abastecimento de água bruta, as dificuldades, o fornecimento e a distribuição de água potável por parte da Samarco.

A audiência pública foi presidida pelo promotor de Justiça Marcelo Volpato e contou com a participação do procurador da República em Colatina, Jorge Munhós de Souza; da promotora de Justiça coordenadora do Centro de Apoio Operacional da Defesa do Meio Ambiente, Isabela de Deus Cordeiro; e do procurador do Trabalho em Colatina, Bruno Gomes Borges da Fonseca. Também estiveram presentes vereadores, membros da Defensoria Pública do Estado, deputados, representantes dos sindicatos, associações de moradores, trabalhadores e de pescadores, além de estudiosos e pesquisadores do assunto.

O procurador da República em Colatina, Jorge Munhós de Souza, destacou que a população é protagonista nesta luta. "Nada vai avançar sem a mobilização direta da sociedade civil. A Samarco utiliza-se do lema 'Fazer o que deve ser feito'. Mas alguém aqui tem a sensação de que realmente está sendo feito o que deve ser feito? Não vamos medir esforços para mitigar as dores desse desastre, desse crime ambiental", frisou.

Já promotor de Justiça em Colatina, Marcelo Volpato, finalizou a audiência lembrando que o setor minerador financiou diversas campanhas políticas. "Repreendo mais uma vez a ausência da Samarco, da Vale, do Governo do Estado, da Prefeitura de Colatina e dos representantes dos órgãos de meio ambiente nesta audiência. Porque não é só o MP que tem que dar satisfação à sociedade, mas principalmente quem tem poder de decisão política", disse.

Antes de deixar o plenário da Câmara, o público presente repetiu a frase "Água e energia não são mercadoria" por diversas vezes. Como encaminhamento da audiência pública, foram anotadas as diversas reclamações e reivindicações da população, e o Ministério Público já está estudando as medidas judiciais e extrajudiciais que podem ser tomadas para atendê-las.

Água. Ainda na tarde dessa quinta-feira (17), pouco antes da audiência pública ter início, o Ministério Público obteve na Justiça decisão que obriga a Samarco a continuar o fornecimento de água em Colatina. Com isso, foi revogada parte da decisão anterior que determinava o fornecimento de água, pela Samarco, por apenas sete dias, prazo que venceu na quinta-feira (17).

Caso a Samarco suspenda o fornecimento de água - em percentual mínimo de 54 litros por dia, por habitante, além de dois litros de água potável por dia, por habitante, para consumo humano -, isso implicará no descumprimento do compromisso socioambiental preliminar e imporá multa de R$ 1 milhão por dia, sem prejuízo da execução de seus termos.

A empresa, inclusive, já foi notificada pelos MPs da decisão, fato que foi informado à população na audiência pública e muito comemorado pelos moradores. A decisão pode ser consultada no site da Justiça Federal (www.jfes.jus.br) pelo número 0135334-09.2015.4.02.5005.

Assessoria de Comunicação Social
Ministério Público Federal no Espírito Santo
pres-ascom@mpf.mp.br
Telefone: (27) 3211-6444 // 3211-6489
www.twitter.com/MPF_ES

registrado em: *Rio Doce, Meio ambiente
Contatos
Endereço da Unidade

Av. Jerônimo Monteiro, nº 625
Centro - Vitória/ES
CEP: 29.010-003

(27) 3211-6400
Atendimento de segunda a sexta, das 12h às 17h30

Atendimento ao cidadão
(27) 3211-6455

Plantão Jurídico
Telefone: (27) 99244-7831
Escala de Plantão

Assessoria de Imprensa
Telefone: (27) 3211-6444/6489
E-mail: pres-ascom@mpf.mp.br

Como chegar