Javascript desabilitado
Logo MPF nome Logo MPF

Distrito Federal

Criminal
18 de Fevereiro de 2020 às 14h5

MPF aciona agente público por acumular cargos ilegalmente

O acusado responderá por falsidade ideológica e pode ter até R$925 mil em bens e valores indisponíveis

Foto do prédio da Procuradoria da República no Distrito Federal. O prédio é quadrado com as cores brancas e janelas de vidro

Foto: Ascom/PRDF

O Ministério Público Federal (MPF) enviou, nessa segunda-feira (17), duas ações à Justiça a respeito da acumulação ilegal de cargos públicos praticada por um servidor. Lucélio Cedro Moreira exerceu simultaneamente, durante 1 ano e 10 meses, as funções de agente penitenciário, na Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal (SSP/DF), e de técnico administrativo, no Ministério Público da União (MPU). Os cargos não admitem acumulação e possuem incompatibilidade de horários. Na tentativa de garantir os dois trabalhos, Lucélio omitiu, bem como mentiu para a Administração, a respeito dos fatos. O acusado responderá nas esferas civil – por improbidade administrativa – e criminal – por falsidade ideológica. O MPF pede a indisponibilidade dos seus bens em cerca de R$925 mil.

As investigações comprovaram que Moreira era agente penitenciário da SSP/DF desde novembro de 2014 e tomou posse no MPU em dezembro de 2015. Nessa ocasião, o servidor preencheu formulário no Ministério Público declarando não acumular cargos públicos. A declaração falsa foi igualmente reiterada em 2017.

Nesses mesmos moldes, a informação foi relatada para a Secretaria de Segurança. É que Lucélio foi chamado para depor em procedimento apuratório aberto após a chegada de uma denúncia anônima no órgão. Na circunstância, o servidor negou acumular cargos e sugeriu que a situação pudesse se tratar de um homônimo.

Para o MPF está clara a prática de improbidade administrativa. A atitude causou dano ao erário, gerou enriquecimento ilícito e feriu os princípios que regem a gestão da coisa pública. Por isso, a ação pede que o acusado perca a sua função pública, além de ser condenado a restituir todo o montante recebido indevidamente, a ressarcir os danos causados e a pagar multa civil de até três vezes o valor do acréscimo patrimonial auferido. Como forma de garantir que os recursos serão restituídos, o procurador responsável pelo caso, Ígor Miranda, pede que seja decretada a indisponibilidade dos bens de Lucélio em até R$ 925.728,96.

No que se refere à esfera penal, a peça destaca que o agente atuou com dolo, visto que foram dadas inúmeras oportunidades ao denunciado em se redimir e informar o acúmulo. Se a denúncia for aceita, Lucélio responderá por falsidade ideológica, aumentada pela constatação de crime continuado. “Não se trata apenas da conduta, mas de um desvalor que permeia a atuação em qualquer cargo público”, defendeu o procurador.

A ação de improbidade tramita na 22ª Vara de Justiça , sob o número 1008997-71.2020.4.01.3400
A denúncia, na 15ª Vara de Justiça, sob o número 1017866-57.2019.4.01.3400

Íntegra da AIA e íntegra da AP

Assessoria de Comunicação
Procuradoria da República no Distrito Federal
(61) 3313-5460 / 5459 / 5458
twitter.com/MPF_DF
Informações à imprensa:
saj.mpf.mp.br

registrado em: *2CCR
Contatos
Endereço da Unidade

SGAS 604, Lote 23
Avenida L2 Sul
Brasília/DF
CEP: 70.200-640

Contato: 3313-5115


Horário de atendimento ao público:

Sala de Atendimento ao Cidadão (SAC)

O atendimento ao público externo está sendo realizado presencialmente de segunda a sexta-feira, das 12h às 18h.

Protocolo: segunda a sexta-feira, das 10h às 18h.

Assessoria de Imprensa:

Sistema de Atendimento ao Jornalista (SAJ) saj.mpf.mp.br
E-mail prdf-ascom@mpf.mp.br

Plantão:
Dias úteis 19h às 8h
Às sextas feiras e vésperas de feriado: 18h às 8h
Finais de semana e feriados 24h

Telefone: (61) 9249-8307
Confira a escala de plantão

Como chegar
Sites relacionados
Área Restrita