Javascript desabilitado
Logo MPF nome Logo MPF

Distrito Federal

Meio Ambiente
25 de Outubro de 2023 às 15h55

Em audiência na Câmara dos Deputados, MPF propõe medidas para conter desmatamento e frear mudanças climáticas

Encontro buscou fomentar atuação interinstitucional em defesa do meio ambiente e dos povos tradicionais, fornecendo subsídios para a COP-28

Imagem do procurador da República Daniel Azeredo falando durante a audiência na Câmara dos Deputados

Foto: Reprodução/Comunicação/MPF

“Se os biomas brasileiros ainda resistem, apesar de toda a destruição que já sofreram, é graças à luta incessante dos povos tradicionais que neles habitam e que os protegem, muitas vezes com a própria vida”. A declaração foi dada pelo procurador da República Daniel Azeredo durante audiência da Comissão da Amazônia e dos Povos Originários e Tradicionais da Câmara dos Deputados realizada nessa terça-feira (24). O encontro, que teve como propósito discutir a proteção dos biomas brasileiros e das comunidades tradicionais frente às mudanças climáticas, é também uma prévia do que será discutido na Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas (COP 28), a ser realizada em novembro, em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos. 

Daniel Azeredo enfatizou a importância dos povos tradicionais e o seu papel essencial na preservação ambiental. De acordo com ele, a mudança no cenário atual de desmatamento e degradação promovida pela atividade ilegal passa, invariavelmente, pela proteção desses povos que, conforme destacou, “lutam para manter a floresta em pé”. Ele também enumerou ações necessárias e urgentes para recuperação dos biomas brasileiros e sua importância para o equilíbrio climático global. 

Entre as propostas apresentadas pelo procurador estão o fomento ao uso de tecnologias de monitoramento remoto, a retomada de áreas invadidas, assim como a destinação dessas terras para fins de reforma agrária, titulação tradicional - que reconhece aos povos habitantes o direito ao território - e preservação ambiental. Ele também mencionou a necessidade de aprimoramento e fortalecimento de mecanismos que proporcionem maior rastreabilidade à cadeia produtiva. 

A primeira medida abordada diz respeito à utilização de imagens de satélite, bancos de dados e outras ferramentas que permitam identificar com maior celeridade áreas que estejam sendo impactadas pela atividade ilegal. De acordo com ele, isso facilitaria a aplicação de "embargos remotos", ou seja, medidas administrativas tomadas de forma cautelar pelos órgãos ambientais, com o objetivo de cessar imediatamente a atividade ilegal identificada, sem que haja necessidade de fiscalização presencial prévia. 

Outra importante ação apontada refere-se à necessidade urgente de retomada de áreas que são exploradas ilegalmente. Essa medida de forma isolada, no entanto, não é suficiente. Segundo Azeredo, é preciso dar destinação a essas terras, preferencialmente para fins de reforma agrária, titulação tradicional ou criação de unidades de conservação. Neste aspecto, o procurador pediu que seja dada maior transparência ao Cadastro Ambiental Rural (CAR), ferramenta de registro das propriedades produtivas, como forma de facilitar a fiscalização. 

Rastreabilidade - O representante do MPF também defendeu o rastreamento da cadeia produtiva como medida imprescindível para coibir a comercialização de produtos provenientes de áreas onde ocorre exploração ilegal. Para tanto, afirmou que é preciso maior rigidez no controle das guias de trânsito animal e de transporte de madeira, por exemplo. “Não podemos ter commodities - gados, soja, grãos etc - produzidos na Amazônia ou no Cerrado brasileiro sem a identificação completa e rastreável de sua origem”, defendeu. 

Ele reforçou ainda a necessidade de apreender produtos provenientes de atividade ilegal como medida administrativa apta a coibir tal conduta. Segundo Azeredo, a apreensão faz com que o infrator tenha maior receio em praticar a conduta novamente. “Por que as pessoas invadem terras indígenas, unidades de conservação e desmatam áreas públicas? Porque elas sabem que vão vender o que produziram ali e vão ganhar muito dinheiro. Portanto, é preciso rastrear a cadeia produtiva e identificar a origem dos produtos comercializados. Somente a partir disso é que vamos começar a combater todo esse cenário de violação sistemática do meio ambiente e de áreas de ocupação tradicional”, concluiu.

Assessoria de Comunicação
Procuradoria da República no Distrito Federal
(61) 3313-5460 / 5459 / 5458
twitter.com/MPF_DF
Informações à imprensa:
saj.mpf.mp.br

registrado em: *6CCR, *4CCR
Contatos
Endereço da Unidade

SGAS 604, Lote 23
Avenida L2 Sul
Brasília/DF
CEP: 70.200-640

Contato: 3313-5115


Horário de atendimento ao público:

Sala de Atendimento ao Cidadão (SAC)

O atendimento ao público externo está sendo realizado presencialmente de segunda a sexta-feira, das 12h às 18h.

Protocolo: segunda a sexta-feira, das 10h às 18h.

Assessoria de Imprensa:

Sistema de Atendimento ao Jornalista (SAJ) saj.mpf.mp.br
E-mail prdf-ascom@mpf.mp.br

Plantão:
Dias úteis 19h às 8h
Às sextas feiras e vésperas de feriado: 18h às 8h
Finais de semana e feriados 24h

Telefone: (61) 9249-8307
Confira a escala de plantão

Como chegar
Sites relacionados
Área Restrita