Logo MPF nome Logo MPF

Santa Catarina

Direitos do Cidadão
31 de Julho de 2020 às 14h50

MPs querem que estado assuma decisões contra a covid-19 no modelo regionalizado

Ação civil pública do MP/SC, com apoio do MPF e MPT, requer que Santa Catarina reassuma o controle da saúde onde não houver entendimento entre os municípios

A palavra covid 19 sobre a ilustração de um coronavírus.

Arte: Secom/PGR

O grupo de trabalho do Ministério Público Federal (MPF) que trata do inquérito civil sobre a pandemia do coronavírus em Santa Catarina manifestou nesta sexta-feira (31) total apoio à decisão do Ministério Público de Santa Catarina (MP/SC), que ajuizou ação civil pública (ACP) com pedido de liminar para que estado assuma decisões contra a covid-19 no modelo regionalizado. A ação, depois de esgotadas todas as tentativas consensuais para que o estado reassuma o controle da saúde onde não houver entendimento entre os municípios, requer que sejam adotas as recomendações do corpo técnico da saúde estadual para enfrentar a pandemia.

“O MPF louva a atitude tomada pelo MP/SC no tocante a ACP proposta nesta quinta-feira”, disse o procurador Regional de Defesa do Cidadão do MPF Cláudio Cristani. “Caso necessário, futuramente, se o estado não conseguir reverter a situação caótica presente, o MPF deverá analisar acerca da necessidade de demandar judicialmente no sentido de chamar à responsabilidade a União, para ajudar a solucionar o grave quadro presente”, afirmou.

Para o procurador da República Fábio de Oliveira, coordenador do grupo de trabalho sobre covid no MPF em Santa Catarina, é de se destacar os resultados do trabalho que vem sendo feito pelos três Ministérios Públicos. “Essa integração dos MPs tem obtido resultados muito importantes, a ponto de já ser modelo em âmbito nacional. Resultados obtidos com o trabalho integrado, coordenado, com a ação de diálogo e com o debate que traz o consenso”, disse.

Regionalização – A ACP é assinada pelo procurador-geral de Justiça e outros 65 promotores de Justiça da área da saúde de todas as regiões de Santa Catarina e requer que o estado adote as recomendações do seu corpo técnico para enfrentar a pandemia. O Judiciário recebeu a ação e determinou 48 horas para o estado se manifestar. O Comitê Conjunto de Enfrentamento da Pandemia de Covid-19 dos Ministérios Públicos e os promotores de Justiça com atuação na área da saúde em Santa Catarina entendem que o governo precisa restabelecer o formato inicial de regionalização e definir objetivamente na matriz de risco da covid-19 as medidas que devem ser adotadas de acordo com a gravidade da situação em cada uma das 16 regiões de saúde do estado.

Em reunião nesta quinta-feira (30) do Comitê Conjunto de Enfrentamento da Pandemia de Covid-19 – do qual participam MPF, MP/SC e Ministério Público do Trabalho (MPT) – o procurador-geral de Justiça Fernando da Silva Comin falou sobre o panorama do diagnóstico conjunto das instituições, que é apurado no âmbito do Procedimento Administrativo nº 09.2020.00002405-5, com enfoque no agravamento dos efeitos da pandemia no estado no último mês, e a ausência de adoção de medidas integradas pelos municípios, providência que era esperada a partir da regionalização da política estadual de saúde e a preferência de ações municipais de vigilância epidemiológica.

Constatado o fato de que foram esgotadas todas as medidas consensuais possíveis para a solução da questão – destacando-se, inclusive, que em 120 dias de pandemia, apenas uma ação judicial foi proposta em âmbito estadual – os integrantes do Comitê deliberaram pela necessidade da adoção de medidas urgentes voltadas à garantia do direito à saúde da sociedade catarinense, “com a propositura de medida judicial a fim de garantir que o estado de Santa Catarina intervenha, de fato, na política estadual de saúde, independentemente das ações adotadas pelos municípios, promovendo as medidas necessárias à proteção social, o que foi aprovado de forma unânime pelos representantes das instituições presentes”.

A decisão do Comitê foi pelo ajuizamento das medidas judiciais, a ação civil público em primeiro momento, no âmbito da Justiça estadual, pelo MP/SC, com apoio integral do MPT e do MPF, reservando-se este último, ainda, a tomada de medidas judiciais se for necessária a intervenção da União na política estadual de saúde.

A ação civil pública, conforme o MP/SC, não exige a adoção de qualquer medida de restrição específica, nem mesmo o denominado "lockdown". O que se busca é que o estado não se omita no processo decisório das ações de combate à pandemia, delegando a responsabilidade exclusiva de seu enfrentamento aos municípios, ainda mais no cenário atual, que demonstra a dificuldade de ações integradas, e a taxa atual de expansão da doença, com matriz de risco gravíssimo em quase todas as regiões de Santa Catarina.

Assessoria de Comunicação Social
Ministério Público Federal em SC
Atendimento ao público: (48) 2107-6100 e 2107-2410
Atendimento à imprensa: (48) 2107-2466, 2107-2480 e 2107-2474
E-mail: prsc-ascom@mpf.mp.br
www.mpf.mp.br/sc
Twitter: @MPF_SC

registrado em: ,
Contatos
Endereço da Unidade

Rua Paschoal Apóstolo Pitsica, 4876
Edifício Luiz Elias Daux
Agronômica, Florianópolis,SC
CEP 88025-255
Estacionamento: há 5 vagas para visitantes no piso G2

Atendimento de segunda a sexta-feira, das 12h às 18h

Telefones:

(48) 2107-6100 - Gabinetes
(48) 2107-2400 - Administração

Como chegar