Logo MPF nome Logo MPF

Rio Grande do Sul

Procuradoria da República no Rio Grande do Sul

  • MPF nas redes sociais  
  • Facebook
  • Flickr
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram
Improbidade Administrativa
10 de Janeiro de 2019 às 13h55

MPF apresenta memoriais em ação de improbidade contra ex-administradores do Hospital Petrópolis

Gestores registraram dados falsos nos relatórios de cobrança enviados ao SUS

Arte retangular com fundo preto e a expressão 'Improbidade Administrativa' escrita em letras brancas.

Arte: Secom/PGR

O Ministério Público Federal (MPF) apresentou memoriais na ação de improbidade administrativa ajuizada contra os ex-administradores do Hospital Petrópolis de Porto Alegre (RS) por fraudes realizadas enquanto eram gestores da unidade. Os memoriais reafirmam que houve registro de dados falsos nos relatórios de cobrança enviados ao Sistema Único de Saúde (SUS), referentes aos procedimentos médicos oftalmológicos realizados no hospital, com informação da prestação de serviços médicos não realizados ou diferentes dos que foram efetivamente oferecidos, com o propósito de obter o pagamento de valores indevidos oriundos do SUS.

Restou demonstrado que os réus, em conjunto, enriqueceram ilicitamente um valor superior a R$ 2,7 milhões, considerando que, além do dano ao erário relacionado diretamente às fraudes investigadas, também houve a apropriação indevida de recursos do Hospital Petrópolis, em cujas contas estavam depositadas verbas federais.

O MPF requereu, entre outras medidas, a decretação da indisponibilidade dos bens da Clínica Oftalmológica Del Arroyo, a condenação dos réus à perda dos valores acrescidos ilicitamente ao seu patrimônio, ao ressarcimento integral do dano ao erário devidamente atualizado, à perda da função pública que estiverem exercendo quando transitada em julgado a sentença, à suspensão dos direitos políticos por dez anos, ao pagamento de multa de três vezes o valor patrimonial auferido ou duas vezes o valor do dano e à proibição de contratar com o Poder Público ou de receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios pelo prazo de dez anos.

A procuradora da República Jerusa Burmann Viecili
ressalta a gravidade das condutas apuradas e a necessidade de responsabilização dos ex-administradores do Hospital Petrópolis, especialmente tendo em vista que “os recursos públicos federais destinados à promoção da saúde pública eram inevitavelmente embolsados pelos réus a pretextos escusos, em clara violação à tutela do direito à saúde das pessoas direta e indiretamente atingidas pelas fraudes”.

Número da ação para consulta processual: 5073377-82.2015.4.04.7100

Assessoria de Comunicação Social
Ministério Público Federal no Rio Grande do Sul
Telefone MPF: (51) 3284-7200
Telefones ASCOM: (51) 3284-7370 / 3284-7421 / 3284-7369 / 98423 9146
Site: www.mpf.mp.br/rs
E-mail: PRRS-Ascom@mpf.mp.br
Twitter: http://twitter.com/MPF_RS
Facebook: www.facebook.com/MPFnoRS

Contatos
Endereço da Unidade

Rua Otávio Francisco Caruso da Rocha, 700
Bairro Praia de Belas
Porto Alegre/RS
CEP 90.010-395


CNPJ: 26.989.715/0028-22

(51)3284-7200
Atendimento de Segunda à sexta, das 12h às 19h - Público externo/Sala do Cidadão

Como chegar