Logo MPF nome Logo MPF

Rondônia

Direitos do Cidadão
22 de Junho de 2016 às 15h5

Cinco instituições recomendam que Governo de Rondônia respeite a liberdade de expressão de manifestantes

Detenções de manifestantes em Ji-Paraná foram atos arbitrários de censura, expõem órgãos

 

 

Os Ministérios Públicos Federal em Rondônia (MPF/RO) e Estadual (MP/RO), a OAB-Seccional Rondônia, as defensorias públicas da União e de Rondônia emitiram uma recomendação ao governador Confúcio Moura, ao secretário estadual de Segurança Pública e ao comandante-geral da Polícia Militar (PM) para que respeitem a liberdade de expressão de manifestantes no estado.

A recomendação foi expedida após notícia veiculada no sítio eletrônico oficial da PM de Rondônia, intitulada “Em Ji-Paraná, professor e universitários de Porto Velho são presos distribuindo panfletos caluniando oficiais da Polícia Militar”. A notícia foi reproduzida em alguns jornais eletrônicos de Rondônia, inclusive com exposição indevida das imagens dos manifestantes. Para os órgãos, as detenções e a apreensão de seus folhetos foram atos arbitrários e que atentam contra o direito de qualquer cidadão de protestar contra o Estado e contra autoridades no exercício de função pública.

O folheto distribuído pelos manifestantes narrava atos sobre o despejo do acampamento Jhone Santos de Oliveira, com críticas contra os comandantes da Polícia Militar, latifundiários e juízes. Para os órgãos, os oficiais mencionados no material distribuído poderiam buscar na Justiça a responsabilização dos produtores e propagadores, sem usar o aparato de segurança pública do Estado (a Polícia Militar) para deter pessoas que se manifestavam sobre atos considerados ilegítimos pelos camponeses de Ariquemes e Ji-Paraná e pelos detidos.

Os órgão apontam que a Constituição Federal assegura como direito fundamental a liberdade de expressão, sendo proibida toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística. “A expressão do pensamento é válida não apenas para as informações ou ideias favoráveis, inofensivas ou indiferentes, mas também para aquelas que chocam, inquietam ou ofendem o Estado ou uma fração qualquer da população. Qualquer indivíduo que exerce sua liberdade de expressão assume deveres e responsabilidades”, expõem os autores da recomendação – o procurador da República Raphael Bevilaqua; o procurador-geral de Justiça, Airton Pedro Marin Filho; as defensoras públicas federais Andressa Santana Arce e Alana Rúbia Matinas; o presidente da OAB-Seccional Rondônia, Andrey Cavalcante; e as defensoras públicas do Estado D'Angioli Costa e Luiziana Teles Feitosa Anacleto.

Na recomendação, os autores pedem que se investigue a conduta dos agentes que detiveram os manifestantes e apreenderam seus materiais, especialmente quanto à divulgação da imagem dos detidos, dentre eles um adolescente, e quanto ao uso excessivo da força. Também orientam que não se faça prisão, repressão ou embaraço a atividade de manifestantes. O governador, o secretário de Segurança Pública e o comandante da PM têm 15 dias úteis para informar se acatarão ou não a recomendação. A recusa poderá resultar em outras providências por parte dos órgãos.

Assessoria de Comunicação 
Ministério Público Federal em Rondônia
(69) 3216-0511 / 98431-9761
prro-ascom@mpf.mp.br
www.mpf.mp.br/ro
Twitter: @MPF_RO

registrado em:
Contatos
Endereço da Unidade

Rua José Camacho, 3307, Embratel

Porto Velho/RO     CEP 76820-886

prro-seac@mpf.mp.br
(69) 3216-0500
Atendimento de segunda a sexta, das 8h às 15h

Sala da Cidadania
Recebimento de denúncias

(69) 32160519 ou
32160599

Sistema de Protocolo Eletrônico
- Destinado a órgãos públicos e pessoas jurídicas

Portal do Peticionamento Eletrônico
- Destinado a cidadãos e advogados

Assessoria de Comunicação
Solicitação de entrevistas e de informações: https://saj.mpf.mp.br/saj/
Telefones: (69) 3216-0511 / 98431-9761
E-mail:

Informações sobre licitações
Telefone: (69) 3216-0530
E-mail:

Plantão Jurídico:
Telefone: (69) 98431-9769

Como chegar