Logo MPF nome Logo MPF

Paraná

Procuradoria da República no Paraná

  • MPF nas redes sociais  
  • Facebook
  • Flickr
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram
Combate à Corrupção
31 de Janeiro de 2019 às 16h45

Lava Jato: força-tarefa denuncia Beto Richa e filho por lavagem de dinheiro

É a segunda acusação contra o ex-governador, agora pelo emprego de propinas na aquisição de terreno de luxo em Curitiba

Arte retangular, com fundo marrom e a expressão 'Lava Jato' em destaque, escrita com letras vazadas dentro de retângulo menor laranja

A força-tarefa Lava Jato do Ministério Público Federal (MPF) no Paraná apresentou denúncia em face do ex-governador Beto Richa, seu filho, André Richa, e o contador Dirceu Pupo Ferreira, pelo crime de lavagem de dinheiro proveniente de propinas do pedágio e de outros esquemas de corrupção do Governo Beto Richa. Os fatos são relacionados à compra de um terreno num condomínio de luxo no bairro Santa Felicidade, em Curitiba, no final de 2012.

De acordo com a acusação, em 2012, o contador Dirceu Pupo Ferreira, que era homem de confiança da família Richa, e André Richa, filho do ex-governador, visitaram um terreno de 2 mil m² em condomínio de luxo que estava anunciado por R$ 2 milhões. Após negociação, o vendedor aceitou como pagamento dois lotes de terrenos em Alphaville, avaliados na época em aproximadamente R$ 500 mil cada, pertencentes à família Richa, e mais R$ 930 mil pagos com dinheiro em espécie proveniente de propinas pagas pelas concessionárias de pedágio e outros esquemas de corrupção do governo Beto Richa. O dinheiro em espécie foi entregue por Dirceu Pupo Ferreira no escritório da incorporadora.

Para ocultar a origem espúria dos valores pagos em espécie, os denunciados lavraram escritura pública de compra e venda ideologicamente falsa, simulando uma simples permuta entre o terreno de luxo e os lotes do Alphaville, no valor de apenas R$ 500 mil, subfaturando o valor real da venda e ocultando a existência de pagamentos em dinheiro vivo.

Escrituras públicas de outros terrenos adquiridos na mesma época no mesmo condomínio fechado demonstraram que os montantes declarados na escritura de permuta estava completamente fora do valor de mercado. A título de exemplo, consta da denúncia que, na mesma época, lotes vizinhos foram negociados por R$ 2,5 milhões e R$ 1,6 milhão. Além disso, uma planilha de prestação de contas da empresa que vendeu o imóvel apontou a existência do pagamento de R$ 930 mil em dinheiro e “por fora”.

O imóvel foi colocado em nome da empresa Ocaporã Administradora de Bens, que formalmente estava no nome de Fernanda Richa e seus filhos, mas que tinha em Beto Richa a pessoa que tinha o poder final de decisão. Emails apreendidos durante a investigação comprovaram que Beto Richa tinha a palavra final sobre as atividades da Ocaporã relacionadas à compra e venda de imóveis, inclusive os terrenos no Alphaville.

Pouco tempo depois, o mesmo terreno foi vendido pela família Richa por R$ 3,2 milhões. “A utilização de dinheiro em espécie para pagar por imóveis que são registrados por um valor inferior ao negociado configura uma forma clássica de lavagem de dinheiro no mercado imobiliário que já foi vista, inclusive, em outros casos da operação Lava Jato”, pontuou o procurador Diogo Castor.

O procurador da República Deltan Dallagnol destaca que, “com a segunda acusação contra Beto Richa, a Lava Jato segue fiel à mensagem de que todos, inclusive os mais poderosos, dos mais variados partidos políticos, devem estar debaixo da mesma lei. Seguimos na esperança de que reformas sistêmicas venham se somar às grandes operações recentes para plantar, onde há corrupção sistêmica, um império da lei e um estado de direito”.

 

Lava Jato – Acompanhe todas as informações oficiais do MPF sobre a operação Lava Jato no site www.lavajato.mpf.mp.br

Assessoria de Comunicação
Ministério Público Federal no Paraná

Atendimento à imprensa
Telefones: (41) 3219-8843/ 8934/ 98700-2242
E-mail: prpr-ascom@mpf.mp.br
Site: www.mpf.mp.br/prT
Twitter: www.twitter.com/MPF_PRPR

Atendimento ao cidadão
Telefone: (41) 3219-8700

registrado em: , , ,
Contatos
Endereço da Unidade

Rua Marechal Deodoro, 933
Centro - Curitiba - PR
CEP 80060-010

prpr-ascom@mpf.mp.br
(41) 3219-8700
Atendimento de protocolo administrativo e ao cidadão - segunda a sexta, das 11h às 18h

Núcleo de Atendimento ao Cidadão:
Telefone: (41) 3219-8754

Denuncie aqui.

Como chegar
Sites relacionados
Área Restrita