Logo MPF nome Logo MPF

Pará

Procuradoria da República no Pará

Criminal
14 de Setembro de 2017 às 14h8

MPF denuncia dois acusados de promover trabalho escravo em Medicilândia (PA)

Crianças e adolescentes estavam entre os 29 escravizados

Arte: Yasmim Bitar - Ascom - MPF/PA sobre foto de Leonardo Sakamoto disponível no site http://trabalhoescravo.org.br

Arte: Yasmim Bitar - Ascom - MPF/PA sobre foto de Leonardo Sakamoto disponível no site http://trabalhoescravo.org.br

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou à Justiça um comerciante e um agricultor por crime de submissão de 29 pessoas a condições semelhantes às de escravos no município de Medicilândia, no sudoeste paraense. O flagrante foi realizado em 2013 pelo grupo especial de fiscalização móvel do Ministério do Trabalho. Caso condenados, os acusados estão sujeitos a penas de até oito anos de reclusão e multa, que podem ser aumentadas em mais quatro anos porque o crime também foi cometido contra crianças e adolescentes.

Das 29 pessoas flagradas em situação de submissão a condições semelhantes às de escravos, 12 tinham entre 5 e 16 anos e três eram adolescentes menores de 18 anos. As vítimas trabalhavam no manuseio e colheita do cacau. Usavam facões, podões e outros instrumentos cortantes, e eram submetidos diariamente a fazer movimentos repetitivos e a carregar cargas superiores a 30 quilos.

Às condições degradantes de trabalho se somavam o impedimento de saída do lugar e a omissão de direitos trabalhistas.

Ação do MPF - “Os trabalhadores, incluindo menores, realizavam as tarefas de roço, desbrotamento, retirada de árvores caídas, colheita, secagem, ensacamento, adubação, aplicação de inseticidas e herbicidas, despiolhamento, poda e entrega da colheita, ou seja, todas as etapas do manuseio com o fruto”, relata o MPF na ação.

Toda a produção era vendida a um dos denunciados, registra o MPF. O relatório do grupo especial de fiscalização móvel aponta que esse acusado mantinha a prática fazia mais de quatorze anos, e que ele era responsável pela pesagem das amêndoas e divisão das cotas, com os respectivos pagamentos, e pelo controle de toda a estrutura necessária para o cultivo do cacau, como máquinas roçadeiras, trator, estufa etc. 

Também era esse denunciado quem decidia quanto à necessidade de compra de insumos, como adubo e defensivos agrícolas, e descontava do pagamento das vítimas parte dos valores referentes às compras desses produtos.

O segundo denunciado ficava com a divisão das tarefas, com o cultivo do cacau e fiscalização do processo produtivo e também realizava o trabalho de manuseio e cultivo de fruto junto com seu filho e genro.

Além das condições inadequadas em que os trabalhadores encontravam-se, as instalações e moradia não possibilitavam acesso a água potável e a condições sanitárias mínimas, com relatos de que “quando outras propriedades faziam uso de agrotóxicos, era comum a ocorrência de diarreia e dores de cabeça nos trabalhadores, pois estes produtos se misturavam a água que era consumida por todos”.


Numeração processual não disponível na data de divulgação desta notícia.

Ministério Público Federal no Pará
Assessoria de Comunicação
(91) 3299-0148 / 98403-9943 / 98402-2708
prpa-ascom@mpf.mp.br
www.mpf.mp.br/pa
www.twitter.com/MPF_PA
www.facebook.com/MPFederal
www.youtube.com/canalmpf

registrado em:
Contatos
Endereço da Unidade

Travessa Dom Romualdo de Seixas, 1476

Edifício Evolution

Umarizal – Belém/PA

CEP 66.055-200


PABX: (91) 3299-0111
Atendimento de segunda a sexta, das 12 às 18h

Sala de Atendimento ao Cidadão:

10 às 17h

 

Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão:

9 às 18h

 

Protocolo:

9 às 18h

 

Biblioteca:

13 às 18h

 

Plantão:

Telefone: (91) 98404-6620

O plantão da Procuradoria da República no Pará funciona em apoio ao plantão da Justiça Federal e também para o atendimento dos casos emergenciais de violação dos direitos do cidadão e da coletividade, por meio de pedidos, ações, procedimentos e medidas de urgência destinadas a evitar perecimento e danos a direito individual, difuso e coletivo, assegurar a liberdade de locomoção e garantir a aplicação da lei penal. Período e horário do plantão: Sábados, domingos, feriados, recessos e nos dias úteis iniciará às 18h01 e finalizará às 08h59 do dia seguinte, bem como abrangerá também as Procuradorias da República nos municípios do Pará nos finais de semana, nos feriados, nos pontos facultativos e nos recessos.

 

Como chegar

Sites relacionados

Área Restrita