Logo MPF nome Logo MPF

Mato Grosso

Ministério Público Federal em Mato Grosso

Meio Ambiente
18 de Janeiro de 2017 às 18h2

MPF/MT faz recomendação para que Incra e DNPM criem sistema de cooperação institucional sobre áreas de reforma agrária e extração mineral

A recomendação, que tem força de notificação, tem como objetivo avaliar a viabilidade da extração mineral em áreas destinadas à reforma agrária

O Ministério Público Federal em Mato Grosso (MPF/MT), por meio de sua unidade em Cáceres, encaminhou uma recomendação, com força de notificação, às Superintendências do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e do Departamento Nacional de Produção Mineral, ambas no estado. A advertência, no caso, é para que as autarquias elaborem, no prazo de 90 dias, um sistema de cooperação institucional para troca de informações sobre áreas que são objeto de programa de reforma agrária e de exploração mineral.

Os órgãos têm 15 dias, a partir da data de notificação, para apresentar respostas, sob pena de serem adotas as medidas judiciais cabíveis para correção das irregularidades e responsabilização dos agentes públicos, bem como podendo ser adotadas medidas judiciais e extrajudiciais cabíveis ao MPF, inclusive na responsabilização por ato de improbidade administrativa.

A recomendação foi feita, de acordo com o procurador da República em Cáceres, Felipe Antônio Abreu Mascarelli, tendo em vista a necessidade de solução do Inquérito Civil nº 1.20.001.000222/2014-88, instaurado a fim de apurar a atuação do Incra em relação à exploração mineral no Projeto de Assentamento Roseli Nunes, localizado no município de Mirassol D'Oeste (295 km de Cuiabá, região Sudoeste de Mato Grosso).

Também foi levado em consideração o fato de que os municípios que compõem o polo de atribuição da Procuradoria da República no Município de Cáceres tem, em seu território, diversas áreas destinadas à reforma agrária e, portanto, existe a possibilidade de que uma destas possa coincidir com outras reservadas à extração mineral. Os municípios que compõem o polo são Araputanga, Cáceres, Comodoro, Conquista d'Oeste, Curvelândia, Figueirópolis d'Oeste, Glória d'Oeste, Indiavaí, Jauru, Lambari d'Oeste, Mirassol d'Oeste, Nova Lacerda, Pontes e Lacerda, Porto Esperidião, Porto Estrela, Reserva do Cabaçal, Rio Branco, Salto do Céu, São José dos Quatro Marcos, Vale de São Domingos e Vila Bela da Santíssima Trindade.

Em alguns casos, é possível que a atividade de extração mineral seja compatível com a desenvolvida em assentamentos, mas para ter esta certeza é preciso observar as peculiaridades de cada projeto de assentamento, sendo para isso então imprescindível a manifestação do Incra antes de qualquer autorização de concessão de pesquisa ou lavra mineral pelo DNPM. Em questionamento feito ao DNPM/MT pelo MPF/MT, via ofício, o superintendente afirmou que inexiste qualquer sistema que propicie a troca de informações entre os dois órgãos, por isso há a necessidade de cooperação institucional.

O sistema de cooperação institucional, de que trata a recomendação, deverá consistir principalmente no fornecimento, por parte do Incra, do mapa contendo a localização de todos os projetos de assentamento situações nos municípios que compõem o polo de atribuição da PRM-Cáceres/MT, para o DNPM. Após o recebimento das informações, o DNPM deverá remeter ao Incra as documentações referentes a eventuais processos minerários que tenham como objeto área que coincidam com as destinadas à reforma agrária. Por fim, o INCRA deverá se manifestar sobre a viabilidade da exploração mineral na área, requerida junto ao DNPM.

Entenda o caso – Apesar do Projeto de Assentamento Roseli Nunes estar consolidado desde o ano de 2002, em julho de 2013 alguns servidores do Incra chegaram a informar aos assentados que as famílias teriam que ser retiradas do local devido à descoberta de minério no subsolo daquela área, e ainda, que eles não seriam beneficiados de qualquer modo pela atividade extrativista pelo fato do bem pertencer a União.

O pedido para realização de pesquisa mineral havia sido feito em 2007 pela empresa Geomin – Geologia e Mineração que, ao final, desistiu do requerimento da pesquisa. No entanto, foi verificada a existência de outro processo em trâmite no DNPM, do mesmo ano e da mesma mineradora, cujo título minerário se sobrepõe parcialmente aos Projetos de Assentamentos Cecília Antunes, Roseli Nunes e Santa Helena II. Em consulta ao sistema do DNPM foi constatado que a área em questão também foi declarada livre em razão da desistência de prorrogação do alvará de pesquisa feita pela empresa Geomin.

Os exemplos demonstram a importância de existir um sistema de cooperação entre o Incra e o DNPM que realize o cruzamento de dados demonstrando quais requerimentos minerários se encontrariam em áreas de assentamento, evitando assim, situações semelhantes futuramente.

Assessoria de Comunicação
Ministério Público Federal
Procuradoria da República em Mato Grosso
www.mpf.mp.br/mt
prmt-ascom@mpf.mp.br
(65) 3612-5083 

registrado em: , ,
Contatos
Endereço da Unidade

MPF em Cuiabá
Rua: Estevão de Mendonça, 830, esquina com a avenida Getúlio Vargas
Bairro Quilombo. Cuiabá (MT)
CEP: 78.043-405

Outras unidades do MPF em MT
Cáceres
Sinop
Barra do Garças
Rondonópolis

Telefone: (65) 3612-5000
Fax: (65) 3612-5049

Atendimento ao Cidadão
Telefone: (65) 3612-5000

Assessoria de Comunicação
Telefone: (65) 3612-5083
E-mail: prmt-ascom@mpf.mp.br

Como chegar

Sites relacionados
Área Restrita