Logo MPF nome Logo MPF
Contaminação por amianto na Bahia

O amianto é um minério barato, abundante na natureza, mas muito perigoso. Ele pode causar doenças graves, como câncer de pulmão e de laringe e asbestose (conhecida como “pulmão de pedra”). Os efeitos da contaminação surgem 30 anos após a exposição à substância, o que acaba mascarando o risco desse material. O amianto possui diversas variedades, como a crisotila, a tremolita e o anfibólio, este último proibido desde 1991 no Brasil.

Na Bahia, o amianto do tipo anfibólio foi explorado de 1949 a 1971, no então distrito de Bom Jesus. Os trabalhadores não usavam equipamentos de proteção e ficavam expostos ao material. Os rejeitos da mina, altamente tóxicos, foram utilizados pela população na construção de casas e estradas. Com a descoberta de uma mina de maior potencial em Goiás, a atividade na Bahia foi encerrada sem qualquer cuidado, com cavas abertas e sem impedimento de acesso.

Desde 2009, com o surgimento dos primeiros sintomas de doenças associadas à exposição ao amianto na região de Bom Jesus, o Ministério Público Federal (MPF), o Ministério Público Trabalho (MPT) e o Ministério Público Estadual da Bahia atuam para defender a saúde das pessoas e o meio ambiente. O trabalho rendeu alguns frutos, como a condenação das empresas ao pagamento de mais de R$ 500 milhões em indenizações. Mais de 60 pessoas com alterações de saúde decorrentes da exposição ao amianto já foram identificadas. No entanto, estima-se que esse número seja muito maior.

Saiba mais