Logo MPF nome Logo MPF

Amapá

Eleitoral
15 de Novembro de 2019 às 8h0

MP Eleitoral pede prioridade no julgamento do processo de cassação do mandato da deputada federal Aline Gurgel

Legislação confere prioridade a casos de abuso de poder

Arte com detalhes nas cores da bandeira do Brasil. Ao centro está escrito a palavra eleitoral na cor preta

Arte: Secom/PGR

O Ministério Público Eleitoral requereu à Justiça Eleitoral, na última terça-feira (12), prioridade no julgamento da ação em que pede a cassação do mandato da deputada federal Aline Gurgel (PRB). A parlamentar é acusada de abuso do poder econômico consistente na prática de captação ilícita de sufrágio (compra de votos) e transporte ilegal de eleitores nas eleições de 2018. Além dela, são réus na Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije) o marido, Hildegard Gurgel, e os cabos eleitorais Alcelina Lobato e William Lobato. O processo tem como relator o juiz Gilberto Pinheiro.

Na manifestação, o órgão frisa que a legislação eleitoral confere prioridade, sobre quaisquer outros, ao julgamento de processos que envolvam desvio e abuso de poder. A finalidade é resolver, de forma definitiva, a situação jurídica de acusados de lesar a legitimidade e a normalidade do pleito. Além disso, visa a garantir a eficácia da decisão, que pode vir a ser prejudicada pela demora no julgamento da causa.

Referindo-se à Aije, o MP Eleitoral salienta que todas as fases que antecedem o julgamento já foram encerradas. Menciona, ainda, que os processos de prestação de contas das Eleições 2018 estão praticamente finalizados, enquanto a ação sequer consta no calendário de sessão de julgamento do TRE/AP. “É indispensável o emprego de todos os recursos para que a Aije seja julgada antes do início do processo eleitoral de 2020”, reforça.

Investigação - A investigação conduzida pelo MP Eleitoral revelou que, nas eleições de 2018, Aline Gurgel contratou cabos eleitorais para intermediar a compra de votos, que ocorria em diversos locais, inclusive no Instituto de Administração Penitenciária. Os ilícitos também foram cometidos em ao menos quatro bairros de Macapá, no município de Tartarugalzinho e nas ilhas do Pará, alcançando aproximadamente três mil eleitores.

Nas alegações finais, datadas de agosto deste ano, o MP Eleitoral reforça os argumentos da Aije e apresenta farto acervo de provas recolhidas no dia das eleições e em duas fases da Operação Cícero, todas periciadas pela Polícia Federal. Na peça, o órgão pede que a Aije apresentada em dezembro do ano passado seja julgada procedente para cassar o mandato da parlamentar e decretar a inelegibilidade dela e dos demais réus.

Assessoria de Comunicação Social
Ministério Público Federal no Amapá
(96) 3213 7895 | (96) 98409-8076
prap-ascom@mpf.mp.br
www.mpf.mp.br/ap
www.twitter.com/mpf_ap
www.fb.com/mpfederal
www.youtube.com/tvmpf

registrado em:
Contatos
Endereço da Unidade

Avenida Ernestino Borges, 535
Centro - Macapá/AP
CEP 68908-198

  

96 3213 7800
Atendimento de segunda a sexta, das 10h às 16h
Como chegar